DIGITAL

Quatro pontos fundamentais para uma efetiva transformação lean digital

Flávio Augusto Picchi e Erasto Meneses
Quatro pontos fundamentais para uma efetiva transformação lean digital
Nos últimos tempos, as empresas vêm buscando acelerar seus processos de inovação e incorporação de soluções digitais de forma vertiginosa. Nem sempre essas iniciativas dão o resultado esperado, em geral por estarem desconectadas de uma visão estratégica e de processos da companhia. Conheça quatro pontos inspirados no sistema lean que podem tornar essa jornada mais efetiva.

As demandas cada vez maiores dos clientes e da sociedade como um todo fizeram com que a incorporação e a renovação dos produtos e negócios fosse algo imperativo e não opcional para todas as organizações. Empresas que atuavam em setores relativamente estáveis precisam se reinventar. Para isso, buscam um arsenal de novas tecnologias e soluções digitais, que aumentam exponencialmente.

É um processo relativamente novo para a maioria, o que se torna um grande desafio de aprendizagem. Algumas empresas não conseguem ainda sair da inércia e inovam numa velocidade bastante aquém do que seus clientes esperam. Outras aceleram o processo, mas muitas vezes se deparam com insucessos por diversos motivos, como desconhecimento das reais necessidades do mercado, do ecossistema que a companhia faz parte ou dos altos custos, atrasos, baixa qualidade do que é entregue etc.

A filosofia lean sempre serviu de guia para melhorias e mudanças nas empresas, tendo protagonizado inúmeros “turnarounds”. Seus princípios de orientação pelo valor para o cliente, propósito claro, fluxos de valor, desafio aos paradigmas cristalizados, ciclos rápidos de aprendizagem etc. continuam mais atuais do que nunca e são indispensáveis para a verdadeira transformação lean digital.

Destacamos a seguir quatro pontos, inspirados nos princípios lean, que consideramos fundamentais para uma jornada de sucesso:


1) Entenda a transformação digital como parte da estratégia

Uma transformação digital precisa iniciar com a formulação de um plano estratégico. Esse planejamento, no entanto, deve ser guiado por propósitos claros e bem definidos, mas sempre seguindo a mentalidade lean. Em outras palavras, todo e qualquer processo só pode ser construído ou mantido se concretamente agregar valor a quem interessa, o cliente.

Algumas empresas, perplexas com a avalanche de tecnologias disponíveis, acharam que a questão colocada seria “usar cada vez mais tecnologia” ou “digitalizar” seus processos, mas sem um propósito bem definido. E que isso seria uma tarefa de seus times de TI, desvinculada do restante da companhia.

Cada vez fica mais claro que a transformação digital é antes de tudo uma transformação de negócio, visando promover mudanças disruptivas em pessoas, dados e tecnologias, com o intuito de alavancar resultados mais desafiadores e se manter elegível num mercado altamente competitivo sem perder o time to market.

A intenção de trazer soluções digitais deve ser decorrência dos objetivos de reduzir o tempo de solução dos problemas, aumentar a performance, incrementar qualidade e reduzir custos no médio/longo prazo. É uma tarefa para times multidisciplinares, com pessoas de negócio, marketing, tecnologia etc.


2) Agregue valor à jornada do cliente

Quando se fala em propósito direcionado a agregar valor, isso só existe se estiver totalmente focado nas necessidades e nos desejos dos clientes. No contexto da transformação digital, entender o que o cliente quer e está disposto a pagar por isso não é uma tarefa das mais fáceis.

Isso porque as mudanças sociais, de comportamento e de interfaces tecnológicas digitais para isso são cada vez mais rápidas e estão a cada dia mais “pulverizadas” por todo o mercado.

Assim, por vezes, mais do que entender qual será a necessidade do cliente hoje, é preciso fazer uma projeção de qual será essa necessidade antes mesmo dela existir ou, por que não, gerar novas necessidades que hoje ainda não temos.

Nesse sentido, para aprofundar o entendimento sobre toda a jornada do cliente, a transformação digital deve explorar ao máximo práticas como design thinking, lean inception e mapeamento do fluxo de valor. Este último, por sinal, precisa ir além do “mapeamento tradicional” feito numa visão de pipeline, de como o valor é produzido, para também incluir uma perspectiva de jornada do cliente e de comportamento dos dados que transitam por esse fluxo.

Só assim é possível atender as necessidades de hoje e de manhã com velocidade e qualidade.


3) Procure a entrega perfeita

No contexto da transformação digital, não basta apenas criar bons produtos e serviços digitais. Tão importante quanto isso é entregá-los da melhor maneira aos clientes para que eles possam entender e usar.

Não são poucas as situações em que as “soluções digitais” parecem geniais nas concepções das ideias. No entanto, quando entregues aos clientes e efetivamente usadas por eles, elas se mostram como um retumbante fracasso.

Para evitar isso, a aplicação dos conceitos lean de estabilidade, processos simples e diretos, qualidade na fonte, acompanhamento de rotinas por meio do gerenciamento diário etc. são importantes para gerar produtos, processos e serviços entregues de forma certa e no tempo certo – com a garantia de que isso será percebido pelos consumidores de maneira consistente e sempre melhorando.


4) Reaprenda com a experiência do cliente

Uma das coisas mais importantes da jornada lean é a possibilidade de aprender com quem efetivamente consome. Em outras palavras, trata-se de conseguir, de fato, observar, da forma mais próxima possível, como o cliente interage, manipula e consome o que estamos entregando a ele. Assim, entender o mais profundamente possível o que deu certo, o que está errado e como mudar.

Na transformação digital, isso é ainda mais importante, porque além da interface digital estar, no geral, sempre próxima do cliente, as rápidas mudanças tecnológicas e de mercado exigem a todo momento novas experiências. Assim, é preciso entender como aprender com o cliente (por exemplo, aliando o pensamento lean à gestão agile, desde a formulação da estratégia, passando pela descoberta e desenvolvimento de produtos até as entregas).

Esses quatro pontos fundamentais e outros aspectos estarão no foco das discussões da “Imersão Lean Digital – da estratégia de transformação digital à entrega de valor”, um encontro digital, à distância, que vai ocorrer nos dias 13, 15, 20 e 22 de setembro.

Embora não sejam únicos, esses quatro pontos, se bem aplicados, tenderão a trazer uma série de “luzes” sobre a transformação digital. Poderão, por exemplo, ajudar a conhecer com mais profundidade as necessidades reais dos clientes – e não aquelas que “eu acho” que existem. Assim, podem ajudar a gerar planejamento estratégicos mais eficientes, evitando desgastes e prejuízos futuros (por exemplo, custos com manutenções corretivas de produtos ou serviços mal planejados e executados, decorrentes de atrasos).

Não é pouca coisa nesse mercado cada vez mais hipercompetitivo, no qual o sucesso ou o fracasso da transformação digital já é uma questão de sobrevivência.

Publicado em 08/08/2022

Autores

Flávio Augusto Picchi
Presidente do Lean Institute Brasil.
Erasto Meneses
Head de Lean Digital Transformation no Lean Institute Brasil.

Leia também