James Womack sobre a importância de espalhar a palavra lean


Cultura e Liderança
James Womack - 09/01/2018


YOKOTEN DE WOMACK - Antes das festas, em sua última coluna do ano, o autor nos lembra sobre o poder de compartilhar. Vá e espalhe a palavra lean!

Esta é minha última coluna de 2017, e espero que ela tenha sido interessante e útil. Você, meu cliente, é o juiz, claro, e os comentários sobre se sou valor ou muda são sempre bem-vindos quando faço meu hansei (autorreflexão crítica) de fim de ano.

Neste mês, sinto a necessidade de fazer esta coluna rapidamente de uma só vez. Então estou apostando no fluxo de uma só peça sem interrupções (não posso apostar em vários cavalos ao mesmo tempo). Então, posso focar toda minha atenção em minha tarefa menos favorita do ano: encontrar o presente certo para todos em minha lista de natal (talvez meu problema seja que exijo a perfeição!). Ao pensar ness desafio, percebi que todos nós da comunidade lean temos o presente perfeito para dar: yokoten. Deixe-me explicar.

Recentemente, senti a necessidade de ver como Ben Hartman, o agricultor lean, está. Então voei para Detroit, aluguei uma pesada picape Dodge Ram e dirigi com Eric Buehrens, o novo CEO do LEI, para Goshen, Indiana (veja minha coluna “Uma visita a uma fazenda lean”, publicada em 10 de outubro de 2016, para detalhes sobre as práticas de agricultura lean. Também, se você realmente estiver interessado em agricultura, veja o novo livro de Ben “The Lean Farm Guide Growing Vegetables”).

Encontrei Ben no processo de mudança de sua fazenda, como ele havia proposto em minha visita anterior. Ela ficará entre Goshen e a vizinha Elkhart, local que minimiza a quantidade de muda na forma de transporte, tempo e custo desnecessários para entregar seus vegetais sofisticados a seus clientes.

Em seu novo local, ele também está construindo uma casa de fazenda conectada ao estilo da Nova Inglaterra feita de madeira reciclada a partir de silos secadores de milho da fazenda de colheita de seu pai. Esse design reúne sua nova casa, sua área de serviço, sua área de processamento e seu celeiro em uma estrutura conectada para reduzir viagens a pé desnecessárias para fazer seu trabalho diário. O resultado é uma estrutura única que meus vizinhos de Maine chamam de “casa grande, casa pequena, casa dos fundos, celeiro”. Esse estilo foi inventado no século XIX quando as pessoas que moravam em Maine perceberam que só poderiam competir com os agricultores do oeste, que tinham solos melhores, se processassem mais seus bens - enlatando, engarrafando e empacotando em fortes contêineres para enviar à cidade - e tornassem suas casas em minifábricas altamente eficientes. Espero que isso funcione para Ben enquanto ele compete com agricultores de vegetais que produzem e colhem em massa. De qualquer forma, a ingenuidade de Ben continua a impressionar - ninguém constrói prédios conectados de agricultura na Indiana de produção e colheita em massa - e ele compartilhará suas últimas ideias no Summit do LEI a ser realizado no mês de março de 2018 em Nashville.

Desde nossa primeira conversa há vários anos, Ben deixou claro que ele não desenvolveu sua notável fazenda lean sozinho. Ele recebeu o presente do yokoten (o compartilhamento de boas ideias) de Steve Brenneman, o CEO e dono da Aluminum Trailer Company, localizada na vizinha Nappanee, Indiana. Steve comprava os vegetais de Ben e já tinha descoberto o pensamento lean. Quando Ben chegou um dia para entregar uma sacola da CSA (Agricultura Apoiada pela Comunidade), Steve fez uma pergunta simples: “Você é um agricultor lean?”. E seguiu com outra pergunta: “Posso visitar sua fazenda e ver?”. Steve não tinha a necessidade de fazer isso por motivos de negócios. Mas ele tinha descoberto o presente do pensamento lean e sentiu uma obrigação de compartilhá-lo. E, assim que viu a fazenda, ele teve uma visão lean sobre o que poderia ser feito.

O próprio Steve conheceu o pensamento lean da forma mais comum. Ele estava passando por uma crise e aproveitou uma saída já que havia considerado antes, mas não utilizado. Em 2008, um de seus dois negócios fracassou e precisou ser fechado. Esse foi um golpe duro, e Steve decidiu que precisava de uma longa viagem ao campo com sua família para repensar sua abordagem aos negócios. Ele levou uma cópia do livro que Dan Jones e escrevemos, “A Mentalidade Enxuta nas Empresas”, que ele havia comprado há vários anos, mas nunca colocado em prática. Ele leu cuidadosamente e, então, escutou o áudio e refletiu. Quando chegou em casa, ele estava pronto para pensar sobre os negócios de uma forma diferente (Dan e eu merecemos algum crédito na conta celestial da caridade lean? Na verdade, não. Explicarei em breve).

Steve começou perseguindo o comum método lean de criar fluxos de valor de fluidas famílias de produtos. Eles foram projetados para eliminar grandes quantidades de desperdícios e para criar mais valor para seus clientes, reduzindo os prazos, reduzindo os defeitos e oferecendo mais variedade para atender melhor as necessidades dos clientes. Gradualmente, ele introduziu o pensamento lean em seus fornecedores e o estendeu para toda a organização - contabilidade, planejamento, vendas. Ao longo do caminho, ele achou que precisava de alguma ajuda técnica dos consultores consultores Jean Cunningham (um membro de gestão do LEI) e Joe Murli (um coach do LEI), cujos trabalhos não estavam relacionados com o LEI (embora ele tivesse conhecid Joe em um workshop do LEI). Seu trabalho crítico diário era continuar insistindo na transformação como um líder presente. Hoje, a ATC tem vendas que somam US$ 57 milhões, 250 funcionários, 3 instalações de produção e um futuro brilhante.

Depois de Steve ter dado o presente do yokoten a Ben Hartman, ele começou a fazer palestras no nordeste de Indiana sobre o poder do pensamento lean. Recentemente, ele encontrou Joel Daly, gerente geral da Veada Industries (fabricante de assentos para barcos) nas proximidades de New Paris, Indiana, e começou o ciclo de dar esse presente novamente (ou seria repassar o presente?).

A Veada estava lutando para desenvolver seus negócios sem precisar de dinheiro em excesso e sem sobrecarregar seus colaboradores em um mercado de trabalho muito apertado, onde é difícil contratar. Então, Steve deu uma olhada, teve uma visão, e Joel começou a seguir o caminho. Ele pode precisar de uma pequena ajuda de consultores, mas Steve está fornecendo algo diferente sem pedir nada em troca. Ele está dando a Joel uma visão sobre o que é possível e a coragem para experimentar coisas novas que nem sempre funcionarão pela primeira vez (observe que a palavra "encorajamento" nasce da palavra "coragem"). Novamente, Steve não precisa fazer isso por Joel por nenhum motivo comercial. Eles operam em diferentes indústrias. Mas ele se lembra do presente do pensamento lean e sente uma obrigação contínua de compartilhar.

É o início da jornada para Joel, e tenho certeza que haverá alguns dias ruins no meio dos bons. Mas Steve continuará fornecendo visão e encorajamento através de ligações e tapinhas nas costas, e espero que Joel em breve esteja representeando o pensamento lean a uma outra pessoa. Esse é o caminho, talvez a única maneira, para que o pensamento lean possa crescer a partir da determinada, mas minoritária, comunidade que somos hoje e tornar-se a abordagem maioritária para criar o valor que todos desejamos.

Ao falar de de dar presentes sem cobrar, deixe-me esclarecer que valorizo o trabalho dos consultores. Eles são os principais transmissores das ideias e ferramentas para além da comunidade lean. E eles precisam ser pagos. Mas a visão e o encorajamento são necessários para acompanhar as boas ideias. E todos podemos fornecer esses itens essenciais se estivermos a par do desafio. Não seremos pagos por isso, o que é bom (e é por isso que Dan e eu não merecemos muito crédito lean - vendemos nossos livros como um negócio). Todos devemos compartilhar porque fazer isso é o certo.

Então, neste ano, espero que você dê o presente gratuito do yokoten, algo valioso que você possui, mas que talvez não perceba. Não chamo nosso movimento de comunidade lean sem motivo. Eu sabia desde o início que a disseminação do conhecimento técnico nunca é suficiente. Precisamos também fornecer visão e encorajamento e manter contato uns com os outros como fazemos. Espero que você resolva juntar-se a este esforço no ano novo.

Uma última palavra sobre Goshen, Indiana: Quando Eric e eu dirigimos para a cidade, observamos as muitas casas com placas de "imigrantes bem-vindos" na frente. Meu Deus. O que estava acontecendo? Durante nossa estadia, descobrimos que Goshen e as cidades das redondezas, como Nappanee e New Paris, foram fundadas por religiosos Menonitas e Amish que vieram para a América no século 18 para escapar da perseguição na Europa. Hoje, eles têm muito cuidado para continuar o espírito da comunidade que os fez terem sucesso e compartilhar essa ideia com estrangeiros. A prática generalizada de compartilhar para sustentar uma comunidade é uma base com a qual Steve, Ben e Joel se beneficiam. Ela se baseia na simples ideia de respeito por todas as pessoas - amigos, estranhos, gerentes, criadores de valor da linha de frente - e inspira seus esforços adiante. Essa experiência me deu uma nova apreciação pelo potencial da comunidade lean que buscamos expandir constantemente através do yokoten.

Fonte: Planet Lean


Clique aqui para baixar este artigo em PDF.


Faça seu comentário abaixo.
Eventos
05 06 JUN
Lean Summit 2018                                 
Expo Center Norte
São Paulo - SP
Artigos
 
– Deborah McGee
Publicações
 
– Robert O. Martichenko