Minha Criança Lean


Serviços e Processos Administrativos
Torbjorn Netland - 05/06/2017

ESTUDO DE CASO - Uma escola pioneira em Rogaland, na Noruega, está provando que alguns elementos do pensamento lean podem ser adaptados com sucesso ao sistema educacional para criar melhores condições para o ensino e a aprendizagem.

Crianças

Lean é um modelo de gestão alternativo que tradicionalmente não tem sido uma das principais preocupações para o sistema educacional. Nossas escolas estão focadas (com razão) no crescimento dos alunos e no aproveitamento dos recursos didáticos disponíveis. Hoje em dia, porém, tendem a ver a demanda crescer continuamente e ter recursos cada vez mais escasso. Poderia o pensamento lean, com seu foco na produtividade e na melhoria da qualidade e da eficiência, ter algo a oferecer a nossas escolas públicas primárias?

Visitei recentemente a Baerland Skole, perto de Stavanger, talvez a única escola primária (de quase 3.000) na Noruega a ter feito uma séria tentativa de aprender com o pensamento lean. Há outras ao redor do mundo, é claro, mas o fato é que a maioria das escolas não iria recorrer ao setor industrial para aconselhamento sobre como melhorar a eficiência do ensino.

Muitos professores simplesmente rejeitam a ideia de aprender com a indústria automotiva, onde linhas de montagem de alta velocidade e procedimentos de trabalho padronizados representam um ambiente muito diferente do de uma escola primária. No entanto, agora se sabe que os princípios do pensamento lean podem realmente ser aplicados a praticamente qualquer circunstância. Talvez os céticos mudassem de ideia se vissem o que a Escola Primária Baerland está fazendo.

Palestra

A Escola Primária Baerland emprega 25 professores e 10 assistentes de ensino, que ensinam cerca de 300 crianças da primeira à sétima série. A escola certamente não se parece com uma fábrica, mas, na verdade, o reitor Tom Gilje começou a ter a ideia de aplicar princípios lean em sua escola durante uma discussão com alguns dos membros de sua família que trabalham com o lean na indústria.

Em 2012, ele convidou seus funcionários para que se juntassem a ele em uma viagem de estudo a Roskilde, na Dinamarca, para aprender mais sobre o que o lean poderia potencialmente oferecer a uma escola pública (e ao setor da educação). Ele acredita que "o compromisso dos professores era absolutamente crucial para a introdução do lean em nossa escola". A primeira pergunta que deveria ser respondida coletivamente foi "por que sua escola deve se espelhar na Toyota para mudar?". Juntos, os professores da Baerland concordaram com dois objetivos principais para sua implementação lean:

  1. Aumentar a aprendizagem dos alunos.Proporcionar aos alunos mais tempo para a aprendizagem e aos professores mais tempo para o ensino e aumentar a qualidade do ensino.
  2. Melhorar o ambiente de trabalho dos professores.Criar um ambiente de trabalho mais atraente na escola e remover "ladrões de tempo" na administração das classes.

Em outras palavras, a finalidade da aplicação do lean na Escola Primária Bachool era simplesmente uma nobre tentativa de "produzir a aprendizagem de uma forma mais eficaz e eficiente". As primeiras etapas incluíram o treinamento lean para uma equipe pequena de professores com uma consultoria lean local e uma implementação piloto. Hoje, a Escola Primária Baerland está particularmente focada em três práticas lean:

  • Organização "5S" do local de trabalho.
  • Melhoria contínua.
  • Padronização das melhores práticas de ensino.

ORGANIZAÇÃO DO LOCAL DE TRABALHO

5S começa com o professor, não com o aluno.

É mais do que limpar; trata-se de manter um espaço de trabalho organizado e eficiente, sem confusão e desperdício de tempo para pesquisas e preparações. 5S enfrenta desafios adicionais em um ambiente escolar, porque a escola é um lugar público com muitos usuários. Por exemplo, depois do dia regular de ensino, pode haver assistência pós-escolar, escola cultural, eventos públicos, eventos esportivos e outras reuniões e eventos. Cada um deles tem seus próprios requisitos (por exemplo, layout de sala) e materiais exclusivos, e - para não esquecer - os usuários são em sua maioria crianças.

Sem sistemas 5S adequados e intuitivos, as escolas podem rapidamente se tornar um paraíso para o desperdício. A Escola Primária Baerland usa marcações com fita e instruções visuais ("aulas pontuais") para manter a escola em um estado ordenado. "5S é mais do que limpar um armário", explica Rector Gilje, "ele também questiona se o armário é necessário ou não". Baerland também implementou uma solução simples para não acumular material e desperdícios ao longo do tempo: quando uma coisa não é usada por um tempo, ela será marcada com uma data e movida para o "o local de repouso final?" - um lugar físico onde objetos não utilizados são mantidos por alguns dias antes de serem removidos da escola se não forem reivindicados. Um resultado dessas atividades foi que Baerland se transformou agora em uma escola particularmente atraente.

cadeiras

MELHORIA CONTÍNUA

Todas as manhãs, todos os funcionários da Baerland se juntam para uma reunião matutina de cinco minutos. Essas reuniões se concentram em tarefas operacionais e permitem a rápida resolução de problemas. Os colaboradores também realizam reuniões semanais de melhoria na frente dos quadros visuais da equipe, que mostram os principais indicadores de desempenho. Sugestões de melhoria e queixas são levantadas usando post-its. A Escola Primária Baerland também experimentou o mapeamento do fluxo de valor (para o processo de desenvolvimento de currículos locais) e usa o pensamento A3 para garantir a comunicação e a resolução de problemas.

As crianças também participam das atividades de melhoria. Na escola, os "conselhos de classe" foram substituídos por "reuniões de melhoria de classe" (do 4º ano em diante). Essas reuniões acontecem na frente dos quadros visuais de melhoria. Até agora, a escola implementou mais de 1.200 sugestões de melhoria. O foco é ficar um pouco melhor a cada dia.

PADRÕES PARA O ENSINO

A prática lean mais desafiadora para implementar na Escola Primária Baerland tem sido a padronização.

Muitos professores tinham medo de que a padronização matasse a criatividade e não permitisse que eles acomodassem as necessidades de uma sala de aula dinâmica e única com todos seus diferentes indivíduos. É fácil entender essa preocupação se imaginarmos uma linha de montagem da Toyota como sendo a meta para a padronização na escola. No entanto, a Baerland não tem como objetivo atingir a extensão de padronização que a Toyota implementa. Em vez disso, a escola está tentando chegar a um acordo sobre algumas práticas comuns para o ensino (por exemplo, como iniciar e encerrar uma classe de forma eficaz), com o objetivo final de aumentar a qualidade da educação.

"Nosso setor sempre dependeu dos professores", explica o reitor Gilje. "Precisamos ir além do meu plano para chegar ao nosso plano". Os professores, agora, são incentivados a compartilhar as melhores práticas entre si com o objetivo de melhorar a experiência geral de aprendizado para os alunos. Da perspectiva de uma criança, aprender poderia ser mais fácil se as abordagens fossem mais coordenadas. Os melhores professores não devem manter dicas e recomendações sobre o ensino para si mesmos, a fim de continuar a ser o mais popular entre os educadores da escola, mas tornar suas habilidades de ensino extraordinário explícito para que outros possam aprender. O objetivo é tornar claros os "padrões desejados de ensino", de modo que se possa aprender simplesmente prestando atenção a eles e melhorar a qualidade do ensino.

OLHANDO PARA O FUTURO

A Escola Primária Baerland quer se tornar uma das melhores escolas da Noruega até a primavera de 2019. Gilje e seus colegas acreditam que o programa lean adaptado na Baerland pode ajudar a criar as condições ideais para um bom ensino prosperar, mas eles também sabem que o lean não é suficiente sozinho para melhorar a aprendizagem.

O reitor Gilje resume suas experiências até agora: "Acredito que levará alguns anos até que possamos ver uma melhoria clara na aprendizagem. Mas, pelo menos, já conseguimos operações administrativas mais eficientes, um local de trabalho melhor organizado, e os professores estão felizes com as mudanças".

Para concluir, aplicar com êxito o lean em uma escola primária exige a cuidadosa seleção e adaptação de uma série de princípios e práticas lean. Creio que, a esse respeito, a Escola Primária Baerland é um exemplo muito bom. Eles entendem que os alunos não são "clientes" ou "produtos" no sentido tradicional dos termos (ambos são mal-entendidos comuns em implementações lean na educação). Eles não são clientes porque participam do aprendizado com o professor (em outras palavras, fazem parte do sistema que cria valor) e certamente não são produtos que devem ser equipados com conhecimento da mesma maneira que as peças são montadas em um chassi em uma fábrica de automóveis. Naturalmente, aplicar o pensamento lean em uma escola não é o mesmo que aplicá-lo no setor automobilístico, mas isso não significa que o setor da educação não possa encontrar inspiração para melhorar a produtividade em uma indústria que ainda é a mais competitiva do mundo. O futuro não seria melhor se aumentássemos a eficiência de nosso processo de ensino-aprendizagem?

Fonte: Planet Lean



Faça seu comentário abaixo.