TI

A abordagem lean na integração da TI com o negócio, parte um: Quem quer contar isso para a área de TI?



Steve Bell

Neste artigo, primeiro de uma série composta por cinco partes, consultor do LEI, Steve Bell, inicia tratando da importância da abordagem lean na integração de TI como negócio. A parte dois oferece ajuda com os obstáculos comuns a uma transformação lean. A parte três examina como integrar as várias comunidades de TI. A parte quatro direciona a gestão e governança dessa nova abordagem. E a parte cinco explica como medir o valor de TI para o negócio.

Bell é o autor do livro “Lean Enterprise Systems: Using IT for Continuous Improvement” (Wiley, 2006) e coautor de “Lean IT: Enabling and Sustaining Your Lean Transformation” (Productivity Press, 2010) que recebeu, em 2011, o Prêmio Shingo de Publicação de Pesquisa Profissional. Ele é o fundador da Lean IT Strategies, uma empresa lean de liderança e “coaching”.

A Abordagem Lean na Integração do TI com o Negócio, Parte Um: Quem Quer Contar Isso para a Área de TI?

Um dos muitos desafios para a transformação de uma empresa é a tensão entre a melhoria contínua de processos de gestão e a falta de agilidade do suporte dos sistemas de informação. Assim que equipes de kaizen superam um problema atrás do outro, elas geralmente atingem uma enorme barreira tecnológica. Cada vez que a equipe para, confusa, olhando uns para os outros e perguntando: “Quem quer contar isso para a área de TI?”.

Hoje, quase todo processo administrativo conta com informação de qualidade e sistemas de informação eficazes. E muitos, se não a maioria, dos produtos e serviços que eles entregam possuem um componente de tecnologia que pode não ser separado da proposta de valor do cliente. Ainda em muitas empresas – mesmo aquelas que estão alinhadas ao longo dos fluxos de valor – os especialistas em TI permanecem organizados funcionalmente e, em muitos casos, não ficam no mesmo local físico que seus colegas das outras áreas.

De pesquisa em pesquisa, a maioria dos executivos relatam que a TI não entende seu negócio e não entrega valor. Mas com a tecnologia de hoje ativa no mercado; a TI deve entregar valor; empresa deve alavancar as vastas capacidades que as tecnologias de software e internet oferecem para competir com sucesso. E as organizações de TI devem continuamente melhorar, investir na excelência operacional, reduzir custos em geral e custos fixos, a fim de dedicar mais investimento e energia para crescimento, inovação e transformação.

Missão Equivocada da TI

Esta não é uma história triste sobre as falhas da TI, e sim uma história esperançosa de uma TI potencial. De fato, o Centro Sloan de Pesquisa de Sistemas de Informação do MIT relata que “aquelas empresas que têm efetivamente digitalizado seus processos principais têm maior rentabilidade, têm experiência em tempo mais rápido para o mercado e alcançam mais valor de seus investimentos na TI – ainda que tenham custos 25% mais baixos”.

Por décadas, a área de TI tem estado em uma missão de “alinhar com o negócio” e de “entregar valor para o negócio”. Essa missão agora acabou. De fato, ela foi equivocada desde o início. A TI e o negócio são um só. E ponto final. “Alinhamento” requer trazer entidades distintas ou objetos em uma linha. Nesta visão, a TI e outros departamentos dentro da empresa são vistos de forma separada. Para alcançar e alavancar a orientação do fluxo de valor completo, o que buscamos não é alinhamento, mas sim integração, onde a TI é uma parte de – não separada dos fluxos de valor do negócio.

Dessa perspectiva, devemos também reconhecer que a TI não é homogênea. De fato, há várias comunidades de TI que tendem a enxergar a si mesmas como disciplinas especializadas: desenvolvimento e manutenção da aplicação, serviços de TI, tais como infraestrutura e operações (que geralmente inclui prestadores de serviços terceirizados), arquitetura da empresa, gestão do processos administrativos, ERP e gestão de outras aplicações, gestão de integração e de dados, segurança e inteligência do negócio, para listar algumas. Então, enquanto buscamos integrar a TI com os fluxos de valor do negócio, devemos também direcionar como essas comunidades distintas e às vezes competitivas se complementam e se alinham uma com as outras.

Qual É o Problema?

Nesta série de cinco partes, exploraremos uma estrutura de liderança para mudar de alinhamento para a integração da TI com o negócio. A Parte Um (que você está lendo agora) introduz a importância da abordagem lean na integração da TI com o negócio. A Parte Dois discutirá obstáculos comuns encontrados durante uma transformação de TI. A Parte Três discutirá a integração de várias comunidades de TI dentro de um fluxo de valor da empresa. A Parte Quatro direcionará a gestão e governança desta nova abordagem. E a Parte Cinco examinará como medir o valor de TI como negócio, a fim de sustentar uma cultura de desempenho do Fluxo de Valor e atribuição de responsabilidades.

Então, para começar, vamos explorar como uma empresa geralmente tem dificuldades de integrar a função de TI com o negócio.

Considere o papel dos especialistas de TI na melhoria do fluxo de valor. Equipes de kaizen são geralmente compostas de membros representando cada etapa no fluxo de valor – mas geralmente, a TI não é representada. Se a equipe está inconsciente das complexidades escondidas da tecnologia, como eles podem tomar melhores decisões de aperfeiçoamento da tecnologia? Em muitos casos, a equipe aborda a TI com uma “solução” (a clássica “jogam o pedido sobre a parede da TI”) sem realmente entender o problema. Dessa forma, os esforços de melhoria contínua equivocados adicionam mais camadas de cicatrizes em excesso – a um sistema já complexo, que requer ainda mais esforço da TI para continuar funcionando.

Também sem consciência das capacidades emergentes de TI, como uma equipe de kaizen pode considerar melhores elementos potenciais de valor? Equipes esclarecidas de negócio de TI trazem uma perspectiva nova em como direcionar inovação e criar valor – novas formas para o cliente ter mais autonomia, novas formas para a empresa entregar o que o cliente valoriza mais rapidamente, com melhor qualidade e a um custo menor, criando vantagem real competitiva.

Quão grande uma vantagem disso pode ser, você pergunta? Considere muitas empresas online que têm alcançado verdadeira integração de TI com o negócio – Amazon, Google, eBay, Expedia, Netflix, Skype e muitas outras. Ao incorporar produtos e serviços de tecnologia habilitados em sua proposta de valor fundamental para o cliente, elas revolucionaram suas respectivas indústrias. Mas essa estratégia não está limitada a novas empresas apenas, muitas empresas tradicionais, tais como CapitalOne, Dell, General Electric e Southwest Airlines também concretizaram essa mudança.

O futuro é brilhante para inovação; com todas todos esses desafios inerentes, a aplicação habilidosa de produtos e serviços baseados em TI é vital para a empresa moderna. E a adoção desses princípios: respeito pelas pessoas, qualidade na fonte, voz do cliente, fluxo de valor e outros ajudam a criar uma organização que aprende, ágil e flexível.

Traduzido por Tamiris Masetto Manzano.


Publicado em 24/04/2012

Clique aqui para baixar este artigo em PDF.

Faça seu comentário abaixo.
Eventos
    12 SET
Lean Digital Summit                           
CUBO
São Paulo - SP
Publicações
 
 
– Steven C.Bell / Micha...
Lançamento